Logística

GRIS na prática: 4 passos para um gerenciamento de risco eficaz

Gerenciamento de Risco
Escrito por Simplifica Fretes

O GRIS ou gerenciamento de riscos consiste em antever os problemas associados aos processos intrínsecos na rotina de motoristas, já que em um país como o Brasil é preciso lidar com inúmeras adversidades, como roubos de carga e dificuldade de acesso em determinadas áreas, por exemplo.

Além disso, nos últimos 20 anos, o Brasil investiu somente 2% do PIB em obras de infraestrutura no modal rodoviário, que movimenta cerca de 80% da produção nacional e se caracteriza pela precariedade no estado de conservação da sua malha viária.

Apesar dos problemas, o setor de transporte movimenta uma grande parte do PIB do país em função do crescimento do agronegócio. Conforme divulgado pela Confederação Nacional da Agricultura, o Brasil se tornará o maior exportador de alimentos do planeta até 2020.

Esses fatos geram uma demanda ainda maior por medidas e recursos na prevenção de avarias. O objetivo deste post é orientar sobre como fazer um gerenciamento de risco eficaz. Confira!

Qual o conceito de GRIS?

O valor de um serviço prestado é maximizado quando a organização estabelece estratégias e objetivos para explorar os seus recursos com eficácia. O GRIS minimiza gargalos que poderiam atrapalhar o desempenho organizacional e seus resultados.

Dessa forma, o gerenciamento de risco consiste em um conjunto de ações relacionadas à cadeia logística de cargas por meio de ferramentas tecnológicas e o Business Intellingence.

Segundo a definição do ISO 31.000, o GRIS deve atender aos princípios de proteger e criar valor para as organizações, fazer parte dos processos, inclusive da tomada de decisão, abordar a incerteza, considerar fatores humanos, ambientais e culturais, estar alinhado com o contexto da empresa e ser sistemático, estruturado, transparente e inclusivo.

Como funciona?

São muitos procedimentos e normas estipuladas para reduzir a frequência de inconvenientes relacionados ao transporte de cargas. Entre elas podemos destacar:

  • mudança estratégica nos horários das viagens;
  • planejamento das rotas dos caminhões;
  • paradas programadas em locais seguros para abastecimento e descanso;
  • implementação de tecnologias de segurança para monitoramento e rastreamento da carga, em que é possível verificar, inclusive, a anormalidade em padrões predeterminados;
  • qualificação técnica constante para melhorar o comportamento dos motoristas nas estradas.

Quais os benefícios?

Veja abaixo alguns dos principais benefícios do gerenciamento de riscos:

  • garante segurança e agilidade na movimentação de cargas;
  • reduz custos operacionais;
  • aumenta a credibilidade com as seguradoras;
  • fortalece as decisões organizacionais;
  • reduz o índice de incidências e prejuízos associados;
  • melhora a capacidade em administrar riscos múltiplos;
  • cria oportunidade de melhorar processos;
  • otimiza o capital a ser investido pela empresa;
  • garante a segurança dos colaboradores.

O que é preciso fazer para colocar o GRIS em prática?

1. Contrate uma equipe gabaritada

Selecione colaboradores que tenham experiência por meio de testes psicológicos e práticos. Ofereça, ainda, treinamentos e atualizações constantes e exija que eles estejam devidamente habilitados.

2. Identifique a origem dos riscos

Faça um esquema contendo os principais problemas no caminho, como base em notícias, tipo de rota, ocorrências policiais e taxas de periculosidade, principalmente relacionadas ao roubo de cargas, para determinar alternativas que possam diminuir ou eliminar esses fatos.

3. Avalie as características da operação

Aspectos relacionados ao tipo de mercadoria transportada (mais visadas, de fácil comercialização, etc.), valor da carga, peso cubado, riscos no acesso a regiões que se destacam pelo alto índice de sinistros ou com alto índice de acidentes, tipos de veículos que serão utilizados e o desempenho dos motoristas em outras operações.

4. Utilize um software

 Implante um sistema que seja integrado entre os agentes logísticos e alinhado à estratégia de gerenciamento de risco implantada, em que deve conter as etapas de planejamento e manutenção da estratégia (rastreamento, controle e o monitoramento dos resultados).

Saiba utilizar os recursos disponíveis do mercado, a informação disponibilizada por diversas plataformas e os dados históricos de antigas estratégias para definir como implantar o GRIS de forma mais eficiente para o perfil do seu negócio.

Além de estabelecer a melhor estratégia de GRIS para sua empresa, conheça agora algumas formas de melhorar sua gestão de transportes!

Sobre o autor

Simplifica Fretes

Deixar comentário.

Share This