Logística

Desafios de logística para PMEs: descubra quais são e como superá-los

Escrito por Simplifica Fretes

Os desafios de logística para PMEs não são poucos. Além de manter um sistema de entregas eficiente, com prazos cumpridos de acordo com as exigências do consumidor 4.0., a empresa ainda precisa ser competitiva no mercado e fidelizar seus clientes.

Quer se tornar referência no mercado? Melhore seus processos e se adapte a esse contexto.

Neste post, abordaremos o que é preciso para superar alguns desafios de logística para PMEs ganharem competitividade. Confira!

A importância da logística para as empresas

Uma empresa bem-sucedida se destaca no processo logístico, sendo esse um grande gargalo na eficiência operacional de e-commerces, por exemplo. Segundo pesquisa da ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico), 61% dos negócios desse segmento têm problemas com atraso nas entregas.

Além de gerir o processo produtivo de bens, pequenas e médias empresas precisam de uma estrutura de armazenagem eficiente, compatível com os prazos acordados para a distribuição dos itens aos clientes, mas, ao mesmo tempo, devem manter estoques mínimos para evitar perdas por obsolescência.

Os principais desafios de logística para PMEs

Como mencionamos no início, os desafios não são poucos: faltam linhas de crédito para investimento em inovação, capacidade gerencial para driblar problemas, como armazenamento e previsibilidade de demanda e uma legislação favorável que não comprometa o desempenho dos agentes logísticos e a liquidez financeira da empresa.

Soma-se a esse cenário a alta carga tributária aplicada aos serviços de transporte e o preço dos combustíveis, que têm valores alterados frequentemente, motoristas insatisfeitos, falhas de segurança e péssimas condições das rodovias do país.

Além disso, as dificuldades se estendem ao excesso de burocracia para a liberação de cargas em portos e aeroportos, legislação pouco favorável, principalmente relacionada ao novo marco regulatório para o transporte de cargas (PL 4.860) e à Lei 13.103, chamada lei do motorista.

As dificuldades para o transporte de cargas, muitas vezes, reduzem a capacidade de distribuição das pequenas empresas, o que justifica a elevação do preço do produto ao consumidor final, que paga pela falta de infraestrutura e de competitividade da produção brasileira em relação aos itens estrangeiros.

Soluções para esse entrave

O planejamento é a base para que mudanças nesse contexto sejam iniciadas. Esse processo se dá em universidades e centros acadêmicos, capazes de formar profissionais que conseguem minimizar as deficiências desse setor e desenvolver soluções de gestão e mobilidade inovadoras.

O investimento governamental também é imprescindível. Obras e duplicações de rodovias que facilitassem o acesso aos portos, por exemplo, reduziriam o tempo para exportação e importação, acesso e liberação de cargas.

A desburocratização poderia ser feita com acesso à informação, utilizando tecnologias por meio de sistemas integrados entre os órgãos competentes, agentes aduaneiros e os operadores logísticos.

Algumas empresas de transporte disponibilizam plataformas que podem auxiliar em todas as fases desse processo, para que a distribuição de produtos pelo país seja eficiente e, ao mesmo tempo, de baixo custo logístico para embarcadores, transportadoras ou clientes.

Essa inovação também poderia aumentar a eficiência de processos em toda a cadeia de suprimentos, como a gestão de estoques e o rastreamento das cargas a partir de sua saída dos centros de distribuição, com aviso em tempo real das condições enfrentadas até chegar à casa do cliente.

Muitos desses recursos já estão disponíveis, mas pouco conhecidos e com o uso limitado à qualificação dos profissionais, que, muitas vezes, possuem salários incompatíveis com a capacidade de pagamento de pequenas empresas.

Portanto, cabe ao gestor desenvolver estratégias que busquem um equilíbrio entre os custos logísticos e as operações de suprimento, estocagem e distribuição, pois não adianta economizar no frete de uma carga consolidada se foi preciso adquirir um volume maior do produto e ainda arcar com os custos de estoque.

A melhor forma de transpor muitos desses entraves dos desafios de logística é a terceirização de todo o processo, a fim de que os custos fixos sejam transformados em variáveis, para acompanhar o crescimento da empresa e não onerar o fluxo de caixa com altos investimentos.

Gostou do post? Quer saber como isso pode ser feito sem prejudicar o gerenciamento do seu negócio? Então, não deixe de ler o artigo que explica como a terceirização de frota ajuda a reduzir custos operacionais!

Sobre o autor

Simplifica Fretes

Deixar comentário.

Share This